O que penso acerca do Século 21 em termos tecnológicos

Bem, desde que nasci em 1987 não culpo a falta de sorte de ter nascido em tão tarde período do século 20! Isto – nasci quase no fim, uma pena, pois nasci nas “letrinhas finais” dum bom filme em formato de Fita VHS, agora a pena que vivo no século 21 e este blog é típico do futuro do passado, procuro honrar a visão de futuro do século 20 comprometendo mesmo assim o que se tornou o século 21. Bem, em quesito tecnológico e político o século 21 representa a decadência do mundo, cadé a União Soviética, cadé as revoluções o mundo atual tirando poucas e raras excessões se tornaram monótono, bem simplista pois na política o mundo se tornou a falsa dualidade entre democracia x ditaduta, sempre relacionada a democracia ao modelo americano e a ditadura aquilo que deve ser destruido – sim revelei a cortina de maya no mundo contemporâneo. Precisamos de novos Chávez, de novas revoluções socialistas por sobre o globo terrestre e isso me faz lembrar de volta o período revolucionário do meu século passado, com Stálin um dos três grandes revolucionários da era passada que trouxe o tipo soviético de socialismo que nos legou em termos tecnológicos o avanço científico da exploração espacial, as tecnologias bélicas um novo mundo socialista e talz, sem adentrar em detalhes históricos o que ficou como auge do avanço científico e tecnológico do século passado, fora graças ás políticas de Stálin, portanto stalinator neles…

No Stalinator >> O Marxismo e a Questão Nacional

Portanto o século 21 – Para mim representa o colapso tecnológico do auge do avanço científico e tecnológico do século XX, cade as televisores de tubo catódico, cade a internet discada, cade as fitas vhs, betamax, k7, etc… Não quero saber mais de tela plana e “klio a 4”, lcd, plasma, led coisa nenhuma. Não me importo com nada do século 21 em termos tecnológicos pois é pouca vergonha com o que fizeram, cade o ambiente lúdico, cade o ar que o mundo está ficando tecnológico? Os ambientes estão muito desvirtuados, o futuro do século 21 sem ar de graça, demodé e insignificante portanto honro outro século 21, do pensando no século passado com armas a laser, maquinas e computadores enormes com fitas dats, com todos pensando mais ou menos como Buck Rogers no Século 25 – mas no século passado! Portanto RESISTÊNCIA TECNOLÓGICA é isto o que penso, sou da Resistência e combaterei o falso século 21 em que vivemos em prol do verdadeiro século 21 aol qual fora obstânciado pela crise temporal em que vivemos, no colapso do avanço científico e tecnológico.

Hail Stálin!
Hail Séc. XX!

As asperezas da vida cotidiana

Para além da ideologia da vida cotidiana, ideologia fundada na mesquinhez do "devo" em contraponto ao maravilhoso mundo do 'eu vivo', o eu vivo e eu devo são diametralmente opostas uns em relações ás outras coisas, questões e situações em que vamos vivendo nesse mundo cada vez menos interessante, cada vez mais comum e normal! Posso estar sendo um undergound, undergorund que busca sempre novidades e minorias culturais no sentido das particularidades constituir minha absoluta cultura pessoal, porém a vida cotidiana na qual temos nada mais é que programação burguesa, simples programação burguesa ocasionada pela televisão de massas - ás chamadas comunicação de massa, que nada mais é que uma 'lavagem cerebral' das mais covardes ao qual infelizmente a imprensa se tornou no século 21, na maioria dos casos - programas vulgares, conteúdos xulos, insignificâncias mortais vide redes ditas nacionais, que nada mais são do que a hipocrisia convencionalizada e também pela contra-parte da educação familiar (propriedade privada) dos ditos valores tradicionais ou conservadores, bah digo para tudo isto, que me importa o último fashion week? que me importa se a monsanto conseguiu reverter os lucros da crise do capitalismo contemporâneo? Que me importa se o arrogante estúpido de um empresário qualquer conseguiu novos mercados? Apenas lixo convencionalizado de ouro de tolos, aliás que me importa o ouro? Prefiro a beleza da prata!

As asperezas da vida cotidianaa são a refutação do novo, do revolucionário, do diferente e como tanto me considero com orgulho do mundo underground, alternativo, radical e típicamente jovem - amo a juventude a sua cultura, o seu modo de viver, a irreverência aos valores tradicionais a cultura correndo solta sem padrões mercadológicos da grande mídia nefasta, dos gordos de plantão aos bonachões de programas ridicularmentes sem sentido de existência, com comédias forçadas e muitas vezes mal-direcionadas! Aff... Nesse mundo quero viver? De jeito, absolutamente não, nem de perto e nem de longe, quero a educação libertária contra os valores tradicionais dos conservadores, contra a aspereza da vida cotidiana, contra as atuais normas sociais convencionalizadas pelo modo burguês, que de tanto se preocupar com o cachorro do vizinho se torna esse cachorro - cachorros são o atraso da vida, lixos sonoros, preocupações vãs!

Sou revolucionário, muitas vezes no caos discordiano ou mesmo no estilo de vida undergroud, não me peça festas banais - peça mais animes, mais rpg, mais furrys, mais cultura e mais integração social, sem compromissos burgueses e sem aspereza das normais sociais vigentes, quero uma nova sociedade, uma sociedade jovem, socialista, libertária! Fica ai meu desabafo ao rídiculo comum, aos bonachões de plantão e intelegosmas humanistas! Revolução Já!

Fernando Gaebler

Fernando Gaebler: "Sou alguém atuante na área de cultura jovem, sou raposo e amo a revolução!
"

[Eleições 2010] Dilma Rousseff, continuidade do projeto popular

Desde que a ascensão do Partido dos Trabalhadores com as eleições vitoriosas em 2002 com a candidatura do atual Presidente Lula, fora não somente apenas a vitória dum homem ou dum partido político especifico mas antes de mais nada fora a vitória do projeto popular nos espaços da política brasileira, fora a vitória da sociedade brasileira em contra o conservadorismo neoliberal que fora a política típica da década de 90. Não obstante, enfrentamos desafios e obstáculos todos os dias nessa militância do projeto popular, vide a aprovação do Presidente Lula com 85%, não somente das simpatias do povo brasileiro mas significativamente o entendimento que vivemos em outro regime político, não mais do neoliberalismo conservador como é o desejo da atual candidatura á presidência por José Serra, vide as acusações de quem não entende a nova fase em que a política brasileira vive, não somente na questão das relações exteriores por quais Lula trabalha para o fortalecimento da América do Sul via União Sul-Americana, que poderá ser o embrião duma Federação Socialista se a nova conjuntura do socialismo no século 21 se estruturar de ações revolucionárias, anticapitalistas e de integração regional.

Para além dos detalhes dos assuntos técnicos da política, a nova conjuntura está se organizando e a exemplar campanha eleitoral assumida pelo Partido dos Trabalhadores, meu partido filiado desde 2008 e atuante na área de juventude vencer será não somente a continuidade do projeto popular, mas substâncialmente uma depuração e aperfeiçoamento do processo político atualmente vivido que tem como príncipio a justiça social, o enfrentamento ao neoliberalismo e aos interesses americanos-israelis na região via Colômbia, más como nem tudo é um mar de rosas ou melhor dizendo, um amplio mar socialista. reconheço como filósofo a conjuntura crítica de enfraquecimento de projetos revolucionários e uma dissolução de divisões culturais entre o socialismo e o capitalismo, cujas críticas tecidas pelo filósofo russo Alexandre Duguin entende na metafísica do nacional-bolchevismo um entendimento que é necessário refutar todos os princípios fundamentais do neoliberalismo para que haja uma autêntia política social.

No mais da hipótese, entendo que o (PSDB-DEM) nada mais é que uma fachada de uma "nova operação condor" nessas eleições para atrasar o progresso da sociedade brasileira, de seu projeto popular e também da nova conjuntura favorável para um ambiente revolucionário em pleno século 21, na típica mentalidade deletéria da propaganda de idéias puramente democráticas (neoliberais) realizada pela imprensa burguesa que envenenou a filosofia revolucionária, mas antes de adentrar cujo assunto será tratado pela via política mais tarde - talvez numa outra publicação de vanguarda filosófica, acho muito importante a reorganização dos jovens numa nova potência revolucionária, assumindo a tradição dos projetos revolucionários do passado, como exemplo e como ideal, nunca num sentido nostálgico que atravanque o progresso da sociedade brasileira - e portanto numa inovação e criatividade política representada pelo Partido dos Trabalhadores, apoio Dilma Rousseff para a presidência brasileira.

Vote 13