Jornal da Cultura | 10/05/2017


Interrogatório de Lula em Curitiba dura mais de quatro horas. Esquema de segurança funciona e manifestações a favor e contra Lula ocorreram sem confrontos. Além disso, Ministro Edson Fachin nega abertura de processo de impeachment contra o colega Gilmar Mendes. Na bancada, Leandro Karnal e Carlos Ayres Britto.

Siga as páginas do Jornalismo TV Cultura nas redes sociais!
Facebook: 
https://www.facebook.com/jornalismotv...
Twitter: 
https://twitter.com/jornal_cultura

Mujica| VI Congresso Nacional do PT - Abertura da Etapa Paulista

Fala de José Pepe Mujica na abertura da etapa paulista do VI Congresso Nacional do PT.

Evento realizado dia 05/05/2017, na quadra do Sindicato dos Bancários, em São Paulo/SP. 

Análise Política da Semana - 06/05/2017

Em novo programa de TV, Gregório Duvivier faz paródia da Xuxa e detona políticos como o prefeito regional de Pinheiros e o vereador Fernando Holiday


O humorista Gregório Duvivier estreou nesta sexta-feira, 5 de maio, no canal HBO, o programa "Greg News", a versão brasileira do "Last Week Tonight", apresentado por John Oliver na HBO americana. Com humor crítico, muita acidez e ironia, foram tratados vários temas políticos atuais, como a greve geral da semana passada, os escândalos de corrupção e a escola sem partido.

Entre os momentos mais divertidos e originais está o "Abecedário Comuna", paródia da música da Xuxa com viés esquerdista (ou, melhor, sob o olhar enviesado da direita tupiniquim), e comentários pontuais sobre a declaração infeliz do prefeito regional de Pinheiros, Paulo Mathias (PSDB), que disse ser "a favor do direito à greve, mas não em dia de trabalho", e a atuação do vereador paulistano Fernando Holiday (DEM), que na semana passada já havia sido contestado pelo também vereador e professor Claudio Fonseca (PPS). Assista aqui.

#ProgramaDiferente: Crise, sim, mas com bom humor


O #ProgramaDiferente desta semana trata da crise brasileira sem perder o bom humor. O tema é o jovem, a crise de representação política e os novos coletivos cidadãos, reunindo opiniões divertidas, experiências e atitudes concretas para o Brasil viver dias melhores. Os convidados são o humorista Marcelo Madureira, a urbanista Debora Nunes e o prefeito de Vitória (ES), Luciano Rezende. Assista.

Lula | VI Congresso Nacional do PT - Abertura da Etapa Paulista


Fala de Lula na abertura da etapa paulista do VI Congresso Nacional do PT.

Evento realizado dia 05/05/2017, na quadra do Sindicato dos Bancários, em São Paulo/SP.

25 anos - Marcos Abrão: PPS luta por um País cada vez melhor

Emenda do vereador Claudio Fonseca protege escolas públicas do pacote de privatizações de João Doria

Avança mais uma etapa do programa de privatizações do prefeito João Doria: a Câmara Municipal de São Paulo debateu e aprovou nesta quarta-feira, ainda em primeira votação, a criação do Conselho Municipal de Desestatização e do Fundo Municipal de Desenvolvimento.

PL 240/2017, do Executivo, foi aprovado com 38 votos favoráveis, 8 contrários e 1 abstenção. Deverá ser pautado para segunda e definitiva votação na próxima semana, quando está previsto um novo pacote de projetos de vereadores e também antecipando a posse do vereador Milton Leite como prefeito interino por seis dias.

Entre as atribuições do Conselho está a elaboração e gerência do Plano Municipal de Desestatização, que tratará dos modelos e programas de PPPs (Parcerias Público Privadas), concessões e privatizações anunciadas pelo prefeito João Doria. O Conselho deve ser composto pelos secretários de Governo, Justiça, Fazenda, Planejamento, Desestatização e Relações Internacionais.

Já o Fundo Municipal de Desenvolvimento terá seus recursos oriundos deste pacotão de privatizações e, de acordo com o prefeito, será destinado para investimentos nas áreas de saúde, educação, mobilidade urbana, habitação e segurança pública.

O PL foi aprovado com duas emendas ao texto original, uma de autoria de diversos vereadores que inclui os artigos 13 e 112 da Lei Orgânica do Município, ressaltando a obrigatoriedade da aprovação da Câmara nos processos de PPPs, concessão e privatização.

A segunda emenda aprovada é de autoria do vereador Claudio Fonseca (PPS), que exclui dos programas de desestatização as unidades educacionais, atuais e futuras, pertencentes à rede municipal de ensino. Ou seja, impede a "privatização da educação", como temem educadores e profissionais do ensino.

“Incluindo este artigo na Lei, afasta-se qualquer possibilidade de privatização de equipamentos da educação, sejam eles equipamentos de educação infantil, escolas municipais de educação fundamental e média, e escolas destinadas a deficientes”, explica o vereador Claudio Fonseca, que é também professor.

Compensação para débitos tributários

Outro projeto aprovado - este em segunda e definitiva votação - que contribui para o caixa da Prefeitura é o 272/2016, de autoria do Executivo (desde a gestão Haddad), prevê a inclusão da compensação de créditos tributários com débitos tributários para quitar dívidas com a Prefeitura.

O texto aprovado, com emenda da liderança do governo, permite que o contribuinte faça o encontro das contas a pagar com os crédito a receber, desburocratizando a quitação das dívidas. A proposta segue para sanção do prefeito João Dória.

(Com informações do Câmara Man)

Qual é o recado do STF para a Lava Jato?

Quatro envolvidos na Operação Lava Jato são soltos em apenas uma semana pelo Supremo Tribunal Federal. Entre eles, dois presos altamente emblemáticos para a sociedade, como José Dirceu e Eike Batista.

No caso do empresário (bilionário graças ao dinheiro público), além da prisão domiciliar, a fiança foi arbitrada em R$ 52 milhões pelo juiz do Rio de Janeiro que não se fez de rogado em sinalizar que o STF está agindo na contramão do que espera a opinião pública.

Enfim, o que esperar a partir de agora? O ministro Gilmar Mendes, ao revogar a prisão de Dirceu, aproveitou para criticar a força-tarefa da Operação Lava Jato, que apresentou nova denúncia contra o ex-ministro e ex-presidente petista no mesmo dia do julgamento do seu habeas corpus. Afirmou que o STF não poderia ceder à pressão dos procuradores, a quem chamou de “jovens sem vivência institucional”.

“A imprensa publica que as razões que os valorosos procuradores de Curitiba dão para a data de hoje é porque nós julgaríamos o habeas corpus hoje (…). Se nós devêssemos ceder a esse tipo de pressão, quase que uma brincadeira juvenil, são jovens que não têm a experiência institucional nem vivência institucional, e por isso fazem esse tipo de brincadeira… Se nós cedêssemos a esse tipo de pressão, nós deixaríamos (…) de ser ‘supremos’. Curitiba passaria a ser ‘suprema’. Nem um juiz passaria a ser ‘supremo’. Seriam os procuradores. Quanta falta de responsabilidade em relação ao Estado de Direito”, afirmou Gilmar Mendes ao ler o seu voto, que desempatou o julgamento pela anulação da prisão de Dirceu.

Dias sombrios virão por aí...

Pelo fortalecimento da Republica

É sabido que vivenciamos tempos estranhos, anomalias e paradoxos em nosso tempo corrente, que vivenciamos inovações existenciais. Causa-nos a toda a nossa lógica pública, um aprofundamento da crise em que vivenciamos, que não apenas é uma crise apenas do capital em sua expressão neoliberal na economia brasileira, muito menos de valores morais e éticos em nossa vivencia política coletiva, mas vivenciamos sobretudo uma crise que se aprofunda, na ruptura entre os poderes sociais e econômicos, criando-se uma situação de crise revolucionária (que em chinês também representa oportunidades) de refundarmos a república brasileira. Qual será o resultados dos rumos adotados pelos atuais governantes, pela reformulação através de algumas reformas e nova política adotada pelo governo Federal, saberemos no decurso de nossa história recente, claro que atravessados de várias perspectivas e uma abertura a instauração de uma ampla crítica pública, salutar para todos nós, brasileiros que somos, brasileiros que por não decair em um descrédito, ainda seguem firmes na luta social e política.

Por maior que seja, as divisões contraditórias na elaboração da atual política econômica (expressão na prática, de nossa política oficial adotada), por um lado uma reforma trabalhista que reforça o modelo neoliberal na condução da política econômica, por outro uma reforma da Previdência Social, de características de uma esquerda democrática, invertendo a perspectiva, o que se verifica na composição da atual correlação das forças políticas, de partidos de apoio crítico ao atual governo Federal, por um lado PSDB ressentido ainda por quatro eleições em que fracassaram como força política, mesmo tendo-se uma ampla base na economia neoliberal, por outro PPS em sua luta interna, para a sua consolidação como força e representante de uma esquerda democrática - que representa os ideais de uma refundação da república, com a formação da Frente Parlamentar de Apoio ao Parlamentarismo.

Para além destes aspectos sociais, econômicos, precisamos sim refundar a república brasileira, mas fortalecendo por um amplo parlamentarismo (em gestação com atual golpe parlamentar ao campo democrático e popular), mas preocupado com os rumos das quais este parlamentarismo poderá adotar, advogo por um parlamentarismo de esquerda, tendo-se como orientações socialistas, mas atualizados com a nova política, pelo fortalecimento da república brasileira, evitando-se assim recair em um retrocesso monarquista, em uma expressão marxística. 

CPI da Previdência - Auditorias - 03/05/2017


Debate sobre a Previdência Social. 



Participe: http://www.senado.leg.br/ecidadania. Envie comentários ou perguntas por meio do Portal e-Cidadania e do Alô Senado, pelo número 0800 612211.



Audiência pública com representantes de entidades dos auditores fiscais do Trabalho e da Receita Federal e dos procuradores da Fazenda Nacional